NotíciasGrand Slam

A Confederação Brasileira de Judô definiu a delegação brasileira que irá disputar o último Grand Slam do ano, em Osaka, no Japão, no período de 22 a 24 de novembro. Serão 16 judocas em ação, sendo nove homens e sete mulheres, que vão atrás do último ouro em Grand Slam antes do World Masters em Qingdao, na China.

Objetivo: Tóquio 2020

Essa será também a última oportunidade de lutar uma competição no Japão antes dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Para quem não disputou o Mundial de Tóquio em 2019, Osaka será uma nova oportunidade de sentir o clima olímpico.

É o caso do ligeiro Renan Torres que, depois de conquistar o ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019, segue no processo de transição da equipe júnior para a principal motivado para encarar uma das etapas mais duras do Circuito Mundial IJF.

“Toda competição é importante para o meu crescimento, ainda mais nesta fase de transição na seleção brasileira. Estar em Osaka, diante dos melhores atletas do mundo, traz mais motivação para ter um bom desempenho. Ainda sonho em estar em Tóquio no ano que vem, então preciso ir bem aqui antes. Um passo de cada vez”, projeta Torres, que leva na bagagem para o Japão um treino recente justamente com o técnico da seleção japonesa, Hiroyuki Akimoto, no Curso de Esporte de Alto Rendimento do COB ao lado de outros atletas brasileiros.

“Tanto em Brasília (Grand Slam), quanto em Perth (Aberto) acabei ficando por detalhes. Os atletas acabaram vencendo as lutas em contragolpes. Ajustei bastante estes detalhes, principalmente depois do curso com o sensei Akimoto e acredito que as dicas que recebi vão me ajudar no Grand Slam”, concluiu Renan Torres, que viaja com a delegação brasileira na madrugada deste sábado (16).

Período de treinamentos pré e pós-Grand Slam

Antes da competição começar, a delegação brasileira fará uma parada em Hamamatsu, também no Japão, para um treinamento de campo. O local já serviu de base para o judô brasileiro durante a preparação para o Mundial Sênior, realizado este ano, em Tóquio, e também será a base de aclimatação da equipe olímpica de judô em 2020. Os atletas ficarão em Hamamatsu no período de 17 a 20 de novembro.

Logo após a disputa do Grand Slam, a seleção brasileira de judô continuará em Osaka para o treinamento de campo internacional até o dia 30 de novembro, com os judocas que participaram da competição. Em seguida, parte da delegação participará de outro treinamento de campo no Japão, na tradicional Universidade de Tenri, casa de grandes nomes do judô japonês, como os atuais campeões mundiais Shohei Ono e Joshiro Maruyama.

SELEÇÃO BRASILEIRA DE JUDÔ – GRAND SLAM OSAKA 2019:

SELEÇÃO FEMININA

– 48kg: Gabriela Chibana (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

– 52kg: Larissa Pimenta (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

– 52kg: Sarah Menezes (C. R. Flamengo / FJERJ)

– 70kg: Maria Portela (SOGIPA / FGJ)

– 78kg: Mayra Aguiar (SOGIPA / FGJ)

+ 78kg: Beatriz Souza (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

+ 78kg: Maria Suelen Altheman (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

SELEÇÃO MASCULINA

– 60kg: Eric Takabatake (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

– 60kg: Renan Torres (SESI SP / FPJUDO)

– 66kg: Charles Chibana (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

– 73kg: Eduardo Katsuhiro Barbosa (Clube Paineiras do Morumby / FPJUDO)

– 81kg: Victor Penalber (Instituto Reação / FJERJ)

– 81kg: Leandro Guilheiro (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

– 90kg: Rafael Macedo (SOGIPA / FGJ)

– 100kg: Leonardo Gonçalves (SOGIPA / FGJ)

+ 100kg: Rafael Silva (E. C. Pinheiros / FPJUDO)

Foto: Rafal Burza / CBJ

Fonte: CBJ

Siga nossas redes sociais: Facebook – Instagram – Twitter – Youtube

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário